Somos mais de 40.000 trabalhadores prestando serviços no Comércio Varejista, Atacadista, Farmácias, Cooperativas, Concessionárias de Veículos, Material Ótico, Assessoramento, Perícias, Pesquisas e em Contabilidades, abrangendo os municípios de Ascurra, Apiúna, Benedito Novo, Blumenau, Doutor Pedrinho, Gaspar, Indaial, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó.
O conjunto destes trabalhadores forma nossa Categoria, que por sua vez, constitui nosso SINDICATO.

Por que o trabalhador deve contribuir e fortalecer o sindicato?

O ano era 2017. O povo brasileiro recebeu uma enxurrada de notícias sobre a necessidade de uma reforma nas leis trabalhistas para que o país pudesse, finalmente, voltar a ter emprego para a população. E assim foi feito, em novembro de 2017 entrou em vigor a lei 13.467/2017, conhecida como Reforma Trabalhista de 2017.

A partir daí, todas as negociações sindicais passaram a ter força acima da lei.

Isso quer dizer que os sindicatos teriam poder acima da lei para regulamentar os direitos de todos os trabalhadores na categoria. Tantos os direitos para garantir melhores condições de trabalho quanto flexibilizar algumas perdas também, desde que respeitada a Constituição Federal. Até então, nas negociações coletivas, o que se discutia era quais novos benefícios seriam conquistados aos trabalhadores.

Porém, se por um lado a Reforma Trabalhista “deu autonomia” aos sindicatos, a mesma Lei retirou a obrigatoriedade da contribuição sindical, aquela que desconta um dia de salário por ano do empregado no mês de março.

Ao mesmo tempo em que a lei deu um poder enorme aos sindicatos (incluindo o “dos patrões”), tirou a fonte de custeio dessa que é uma organização de extrema importância para todo o setor produtivo no país.

O que se viu a partir daí foram tentativas escancaradas de retirada de direitos arduamente conquistados, onde antes se viam conquistas, agora as lutas eram pela manutenção de direitos básicos como o direito ao descanso em feriados (ou compensação em dinheiro), reposição de perdas pelo aumento de preços (inflação) nos salários, banco de horas com pagamento em prazo razoável (até 6 meses), etc…

Nunca foi tão importante o fortalecimento dos sindicatos para negociarem em pé de igualdade com “os patrões”. Muitas são as categorias que estão sem aumento salarial há mais de ano, muitas conseguiram um aumento abaixo do necessário para repor a inflação. Nunca se viu tamanha perda de poder de compra dos trabalhadores, que lutam para conseguir pagar as despesas mensais e comer ao mesmo tempo.

Quando um sindicato tem força, consegue impor a força de toda uma categoria. Quando é feita uma negociação, todos os trabalhadores e empresas são obrigados a respeitá-la.

Isso quer dizer que, se não há sucesso numa negociação, não só os sindicalizados quem “pagam a conta”, mas sim toda a categoria que ele representa.

É por isso que, mesmo que não seja filiado, o empregado recebe os mesmos benefícios e consequências da negociação que seus colegas que são associados ao sindicato.

Porém, brigar por melhores condições trabalhistas não é uma tarefa simples.

Você já tentou negociar algum direito sozinho, seja um aumento salarial ou um acordo de demissão diretamente com seu patrão?

Na maioria das vezes, essas situações não são nem um pouco favoráveis ao empregado.

E mais, você sabia que o aumento salarial não é obrigatório? E mais, que vários setores no Brasil estão há vários anos sem aumento salarial?

Pois é!

Daí a fundamental relevância do sindicato na vida do trabalhador, pois quanto mais representativo ele for, maiores são as suas chances de realizar ações efetivas que atendam às reivindicações da categoria.

Para o sindicato desempenhar seu papel, é imprescindível o apoio dos trabalhadores, que são os grandes beneficiados com as atividades e as lutas da entidade.

Mas sem as contribuições financeiras, nada disso seria possível.

Além das mobilizações para manutenção e conquistas de benefícios, os recursos arrecadados são utilizados para manutenção das atividades administrativas, assessoria jurídica, comunicação e muitos outros benefícios.

Aos associados, nossa entidade oferece atendimentos à saúde, com consulta médica, exames de raio-x, ultrassom e endoscopia gratuitos, reembolso de 20% sobre medicamentos com receita médica e outros. Além desses benefícios, a principal vantagem de se sindicalizar é ajudar diretamente no fortalecimento da negociação entre a categoria e os patrões.

Mas sabemos que nem sempre o trabalhador consegue dispor de mais um valor mensal. Neste caso, a contribuição assistencial, somente em 2 momentos no ano, é o ideal para quem quer manter a força de negociação do sindicato. É com essa força que conseguimos manter o pagamento de ajuda de custo em domingos e feriados (seja em dinheiro, seja em vale compras). Essa conquista particularmente tem sido uma das maiores lutas do sindicato para sua manutenção e, pagar a contribuição assistencial é uma das principais maneiras de manter a atuação forte do seu sindicato!

Mais forte, a entidade terá mais chances de contratar inclusive bons advogados e outros profissionais, favorecendo ainda mais as lutas.

Uma coisa é certa: todo apoio financeiro que o trabalhador dá ao seu sindicato volta para ele em inúmeros benefícios. Estamos nos aproximando das negociações e teremos mais conquistas se tivermos o apoio dos comerciários.

Nessa “conta”, quem ganha é o próprio trabalhador.

 

O que achou dessas informações? Compartilhe! Deixe seu comentário, inclusive com dúvidas ou sugestões para os próximos assuntos. Sua participação é muito importante.

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − 5 =